Indústria sinaliza boa perspectiva para o PIB no 1º trimestre de 2021

0
26

Análise da Secretaria de Política Econômica sobre conjuntura macroeconômica e arrecadação federal destaca o crescimento da indústria pelo oitavo mês consecutivo

“Os resultados dos indicadores econômicos mostram a recuperação consistente da economia, assim como um acerto das medidas governamentais adotadas para mitigar os efeitos adversos provocados pela pandemia da Covid-19”. A análise é do coordenador-geral de Modelos e Projeções Econômico-Fiscais da Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia (SPE/ME), Sérgio Gadelha, durante apresentação da Conjuntura Macroeconômica e Arrecadação Bruta de Tributos Federais, na quinta-feira (25/2), em coletiva virtual.

A indústria seguiu como destaque na expansão da atividade econômica no quarto trimestre de 2020, sinalizando boa perspectiva para o Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre de 2021. De acordo com o documento da SPE, o avanço do Índice do Banco Central de Atividade (IBC-Br) – que é um indicador prévio do PIB – tem refletido as altas da produção industrial (PIM), que destaca o crescimento da indústria pelo oitavo mês seguido.

De acordo com a Pesquisa Mensal de Serviços do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o setor de serviços permaneceu estável. “É natural que esse setor se recupere mais lentamente porque são os mais dependentes do fim do isolamento social para poderem operar em plena capacidade”, explicou Gadelha. E completou: “À medida que as incertezas com a pandemia forem diminuindo, com avanços na imunização e a reabertura da economia, o setor de serviços tende a ser beneficiado”.

Para Sérgio Gadelha, a melhora na atividade econômica se mantém em um contexto de progressão apropriada do processo de vacinação, bem como no acerto das medidas governamentais adotadas para mitigar os efeitos da pandemia da Covid-19.

Mercado de trabalho

Os últimos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) mostram a tendência da retomada econômica em curso e o saldo de empregos formais em cada mês do ano de 2020 evidenciam a recuperação em V do mercado de trabalho brasileiro.

“As medidas econômicas do governo para a preservação de emprego e renda começaram a surtir efeito já a partir de maio de 2020, revertendo a tendência de aumento da distribuição líquida de empregos formais”, apontou Gadelha.

Alta frequência

A análise da SPE destaca que, segundo o último Relatório Focus – do Banco Central – o mercado espera a contração de 3,29% do PIB para este ano, permanecendo em 2,5% para 2022. As previsões dos analistas de mercado continuam convergindo para a previsão feita pela SPE.

O estudo mostra que o consumo de energia segue próximo aos patamares observados em 2020 – em níveis superiores ao período pré-pandemia – sendo impactada pela manutenção da expansão da produção industrial.

Arrecadação

A arrecadação total em janeiro de 2021 foi muito próxima do esperado pelo mercado, com o menor índice de erro nos últimos 12 meses. O estudo alerta que ainda se espera elevados erros de previsão devido à dificuldade de se fazer projeções em meio a uma pandemia.

“As projeções de mercado sobre a arrecadação federal continuam a indicar expectativas de retomada da atividade econômica, que tem se verificado ainda mais fortemente do que esperado pelo mercado, na arrecadação”, destacou o coordenador-geral de Modelos e Projeções Econômico-Fiscais da Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia.

Por Ministério da Economia

 

Use o APP do Contabilidade na TV e mantenha-se informado!
Baixe para iOS.
Baixe para Android.
Baixe em HTML5.

Anúncio

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, escreva seu comentário.
Seu nome