Taxa básica de juros atinge nova mínima histórica: o que acontece agora?

0
53

Após novo corte, SELIC chega a 3% ao ano, piso nunca atingido na história do país

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (COPOM) reduziu a taxa SELIC para 3% ao ano, a menor da série na história. Neste ponto, é importante lembrar que, em meados de outubro de 2015, a SELIC era de 14,25%. Mas, o que aconteceu para esta redução drástica e acelerada da SELIC? E de que forma isso pode afetar a vida dos brasileiros? Para responder estes e outros questionamentos, é imprescindível entender o que é esta taxa.

O Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (SELIC) é parte do Sistema de Pagamentos Brasileiros (SPB), gerenciado pelo Banco Central do Brasil (BCB). Ou seja, é a partir da SELIC que ocorre a gestão dos títulos de dívida federais. De acordo com Christian Bundt, economista e professor do ISAE Escola de Negócios, é possível entender a SELIC como uma ferramenta de controle do governo federal para tomar recursos financeiros de terceiros. “A taxa SELIC é o quanto o governo está disposto a pagar de juros nesse sistema”, explica o especialista. “Por meio dela, o governo também influencia a quantidade de dinheiro no mercado e a atratividade dos financiamentos ofertados pelos bancos”, complementa Bundt.

A partir disso, é possível compreender a influência da taxa no consumo da população, que também afeta diretamente na inflação. Para Bundt, este é de fato o alvo do BCB ao mexer no SELIC, já que é a principal referência para outras taxas de juros do país, como as dos empréstimos, dos financiamentos e das aplicações financeiras. Ou seja, a taxa de juros da operação que você paga/recebe no banco ou na cooperativa tem forte relação com o aumento ou diminuição da SELIC.

“Com esta mudança, vale ir à sua instituição financeira negociar aquele empréstimo, aquela aplicação e até a taxa de administração do seu consórcio e da previdência privada”, aconselha o especialista. “Em espectro mais amplo, quem sabe esta é hora de investir aquele dinheiro guardado em um negócio, como em um imóvel para alugar. Afinal, juros baixos privilegiam as atividades empresariais”, explica ele. Para as empresas, a dica do economista é repensar a estratégia de financiamento. “Ao invés do empréstimo tradicional, quem sabe debêntures ou outros recebíveis mais personalizados?”, aponta.

Para decifrar o futuro da SELIC, Bundt indica a leitura das entrelinhas da ata do COPOM. Entretanto, não há dicas que apontem se a taxa vai continuar baixando, estabilizar ou subir. Ainda é possível recorrer a outros indicadores, como o IPCA e outros índices de inflação, como o nível de emprego formal e a confiança da economia. “Da leitura dos últimos números da economia, que mostram os setores agro, indústria e serviços em crescimento, há um sinal de contínuo e gradual aquecimento, mas de monta pequena”, aponta Bundt. Para o especialista, o baixo nível de emprego formal e a ociosidade empresarial permitem uma SELIC menor ainda e o eficiente controle da inflação por um bom período a frente.

Por P+G Comunicação Integrada

 

Use o APP do Contabilidade na TV e mantenha-se informado!
Baixe para iOS.
Baixe para Android.
Baixe em HTML5.

Anúncio

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, escreva seu comentário.
Seu nome