Diálogo pelo Brasil: reformas da Previdência e Tributária na agenda prioritária do país

0
234

Em mais um encontro do presidente da Fiesp/Ciesp, Paulo Skaf, com empresários, os rumos do país estiveram em debate

Na terça-feira (13/8), no Ciesp Distrital Sul, em Santo Amaro, junto a empresários, Skaf enfatizou uma vez mais que os alicerces da agenda prioritária do Brasil estão ancorados na aprovação da reforma da Previdência, agora pelo Senado Federal, e na Tributária.

Há quatro propostas de reforma Tributária em debate, mas que tendem a convergir para um só, como ocorreu com a Previdência, afirma Skaf. “Temos participado ativamente desse diálogo”, disse, lembrando que o sonho seria a adoção de um imposto simples, barato e baixo. “É bom cair na realidade logo. O Imposto único é uma ideia que não prospera e não acredito que haverá algo como a extinta CPMF. O imposto sobre os meios de pagamento esbarra na criptomoeda que hoje se utiliza até mesmo para a compra de apartamento”, disse.

Na avaliação de Skaf, o ideal seria a união dos impostos federais, um IVA nacional, junto com IPI, PIS e Cofins, com alíquota de 8%. “Precisa haver uma boa calibragem para não ter aumento de impostos”, frisou.

Para combater a guerra fiscal, que é prejudicial a São Paulo, ele defende a aprovação de uma resolução no Senado, passando o ICMS da origem para o destino.

Para Skaf, o Brasil passa por um momento de mudanças e muitas questões que aguardavam definição estão sendo solucionadas agora com uma visão liberal e não estatizante. “É minha prioridade ajudar a colocar o Brasil no trilho certo”, afirmou aos empresários.

Ao elencar pontos positivos, citou a Medida Provisória da Liberdade Econômica, o estímulo ao mercado de capitais, o acordo de livre comércio com a Europa e as conversas de um acordo semelhante com os Estados Unidos.

“Temos de acreditar, pois o Brasil tem grande potencial em função de nossas vantagens competitivas: mineração, petróleo em águas profundas, turismo, entre outras. Mas precisamos tirar as pedras do caminho, entre elas, a burocracia”, avaliou.

Um dos graves problemas apontados por Paulo Skaf é a soma de quase 13 milhões de desempregados mais os desalentados. “Isso sim é um problema”, disse. Mencionou também a importância da educação para o Brasil ter condições de competir com os outros países. “São Paulo é um Estado rico, mas com educação vergonhosa”, declarou. “Somos uma entidade ligada à indústria, mas sempre pensamos no Brasil”, disse. “A educação é fundamental, por isso o Sesi-SP é um exemplo, com 200 mil matrículas, mais o Senai-SP com outras 800 mil matrículas, de qualidade.”

Por Solange Sólon Borges, Agência Indusnet Fiesp

 

Use o APP do Contabilidade na TV e mantenha-se informado!
Baixe para iOS.
Baixe para Android.
Baixe em HTML5.

Anúncio

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, escreva seu comentário.
Seu nome