O Supremo Tribunal Federal não pôs fim à ultratividade das convenções coletivas

0
235

Artigo escrito por Amadeu Garrido de Paula*

Muitos entenderam que, ao conceder medida liminar em Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental, proposta pela Confederação Nacional dos Estabelecimentos de Ensino (ADPF nº 323), decisão monocrática do Ministro Gilmar Mendes, proferida no Plenário do Tribunal, pela Lei nº 9882, de 03 de dezembro de 1999, art. 5º, as cláusulas de convenções e acordos coletivos de trabalho teriam perdido sua eficácia na data designada nos respectivos instrumentos como seu termo final.

Entretanto, foi menos amplo o alcance da liminar sob comento.

Tal interpretação está contida em decisão do Ministro Barroso, nos autos do Mandado de Segurança nº 35.640, impetrado pela Confederação Nacional das Profissões Liberais (CNPL), com o escopo de levar ao referendo do órgão colegiado a decisão unipessoal.
Assim, sublinhou que o dispositivo do ato monocrático referido foi circunscrito à suspensão dos processos judiciais em que se controverte dita ultratividade.

As cláusulas de convenções coletivas ou acordos que já ultrapassaram seu limite temporal de vigência, segundo o pactuado, permanecem incorporadas aos contratos individuais e produzem todos os seus efeitos; pura e simplesmente, ficam suspensos processos em que o objeto é a interpretação da denominada “ultratividade”, até final decisão colegiada do STF, no sentido de ratificar ou cassar a decisão monocrática.

Trata-se de interpretação de uma decisão monocrática de um Ministro da Corte por outro Ministro da Corte e, também, ao que se depreende, a uma luz solar, do dispositivo da decisão liminar, por qualquer intérprete.

A constatação é de extraordinária importância, porquanto os empregadores, que tenham deixado, por exemplo, de conceder vales-refeição, vales-transporte, cesta-básica, seguro-saúde, auxílio-creche, diária de viagem, salário substituição, horas extras com 100% de adicional, anuênios ou quinquênios, entre outras, por conta do termo final de convenções ou acordos, poderão estar acumulando um enorme passivo trabalhista, a ser solvido de pronto, caso a medida liminar em questão não seja referendada.

Trata-se, portanto, de uma decisão de alcance meramente processual, que não gera impactos sobre o direito material do trabalho, a teor do entendimento de outro entre os nobres Ministros de nossa Corta Suprema, o que deveria ser levado em conta por sindicatos de empregadores e de empregados em suas negociações coletivas. Entretanto, segundo dados da ANAMATRA, nos últimos tempos houve uma redução de perto de 50% das convenções coletivas, com a supressão daqueles benefícios, conduta que, ao fim e ao cabo, poderá ser vista como temerária ao produzir efeitos econômicos deletérios.

*Amadeu Garrido de Paula, é Advogado, sócio do Escritório Garrido de Paula Advogados.

Por De León Comunicações

 

Use o APP do Contabilidade na TV e mantenha-se informado!
Baixe para iOS.
Baixe para Android.
Baixe em HTML5.

Anúncio

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, escreva seu comentário.
Seu nome